Amor bárbaro

De repente o demônio alado sente de novo aquela vontade que volta sempre de amar alguém que já amou. Ele deveria se calar e esperar essa vontade maluca passar pro seu bem e mais ainda para o suposto bem da pessoa que amou, mas não!
Vontade é vontade, e como já dizia o Raul: "Vai e faz o que queres!".
Sabe, você se sente compelido a fazer isso. Você tem que fazê-lo e foda-se!
Aí você corre atrás e vomita aquele monte coisas em cima dela sem se preocupar com o que vão pensar de ti, porque afinal de contas você quer e muito, e pronto!
Ela te empurra e desconversa. Você insiste e questiona. Afinal de contas não tem como algo tão intenso simplesmente morrer, saca?! É impossível. Então você briga, grita, esperneia e nada. Não tem jeito você já cagou tudo antes e mudou alguém, de um jeito bem horrível por sinal. Mas e daí?! Você sabe que é assim que tem que ser e você próprio já se ferrou antes por causa dela, então nada mais justo do que ela te dar uma nova chance. Mas ela está irredutível, nega tudo e te joga tudo na cara.
Você merece, merece mesmo, mas isso não muda a vontade e o querer-bem. É aí que você atinge o ponto de decisão entre ir até o fundo do poço ou virar as costas e simplesmente viver, porque afinal de contas você vai viver de qualquer jeito mesmo.
E você, demônio e maluco como é, decide ir e pular de cabeça de novo. Foda-se, eu quero e pronto. Faço tudo, me humilho, rastejo mesmo. Orgulho de cu é rola!
E o que passa pela sua cabeça é meramente isso:
"Bato nela até ela me amar de novo, porra!"

2 comentários:

Aline disse...

& Na segunda-feira meu bem, se acabarem com o seu carnaval: VC MERECE, VC MERECE!!!

[...]

ps: finge q o "&" é uma clave de sol, pq é uma musica em tu homenagem!!!

Aline disse...

E ah, to apoiado tudo né?! c sabe...

Insista insistenteme insistido!!!
te amo tatão.