Saludos porteños

Seguinte...
Queridos demônios, escrevo para passar pra vocês um "geralzão" do que tem acontecido comigo aqui em solo porteño.
Bom, vou começar do começo que é como toda história deve ser contada.
Cheguei, cheio de amor e louco de tesão pela minha gatinha argentina, fui muitíssimo bem recebido por todos e me senti bm a vontade desde o princípio. As primeiras semanas foram de puro e intenso "amor carnal", como vocês já deviam ter previsto se me conhecem tão bem quanto eu penso que me conhecem.
Todos os trâmites ficaram pra depois, faculdade, trabalho, visto, coloquei tudo isso em modo de espera e me dediquei exclusivamente a amar. O segundo passo foi organizar minhas coisas no cafofo, o que não foi nada muito complicado por 2 motivos:
1º - Eu não trouxe quase nada, só o que era realmente necessário.
2º - O kitnet era tão pequeno que não me deixava muitas alternativas, mas era aconchegante... Um verdadeiro ninho de amor.
Na etapa seguinte (+ ou - 3ª semana) me dediquei aos trâmites da faculdade, e foi tudo basicamente como o esperado. E a partir daí também já comecei a correria atrás do visto e de trabalho.
E enquanto eu procurava trabalho e fazia as primeiras entrevistas, comecei a me dedicar aos afazeres domésticos e acabei encontrando meu novo hobbie, cozinhar. E aqui fazemos uma pausa pra eu explicar pra vocês porque gosto disso.
Reafirmação de masculinidade
O lance com a gastronomia é o seguinte:
Tudo nasce a partir do ócio, o ócio realmente acaba por levar o ser humano a caminhos interessantes. E foi isso que me levou pra cozinha, cozinhar pode ser uma atividade bastante divertida se combinada com a dose certa de álcool e tabaco, e claro uma boa música. De preferência deve-se mesclar o máximo de ingredientes e de condimentos no prato que vai ser preparado, e fazer tudo dançando muito e cantando sozinho só de cueca feito um louco. A quantidade de álcool e tabaco varia de pessoa pra pessoa mas eu sugiro como mínimo uma garrafa de cerveja e 3 cigarros. O tempo gasto pra fazer um rango firmeza é + ou - 2 horas.
Fora a diversão solitária e a sujeira, eu também garanto pra vocês uma namorada morta de feliz e um pagamento à vista em sexo selvagem* e apaixonado como recompensa do trampo gastronômico.
Masculinidade reafirmada

*o sexo selvagem tem uma melhora proporcional à melhora dos seus dotes culinários.


Continua...

Um comentário:

Bruno Vasco disse...

E eu que achei que tava arrasando fazendo curso de Gastronomia francesa!
Os franceses não sabem nada de gastronomia, quem manja mesmo é esse demônio argentino do paraguai!